Aparecida Ramos -  Prosa e Verso

Apenas palavras que a alma e o coração não calam.

Textos


CARTA A UM AMIGO QUE FECHOU O E-MAIL

cartas.jpg

Meu querido amigo, você pode até me chamar de louca, invasiva, intrometida com esta mensagem que será bastante longa. Se ficares chateado comigo, eu compreendo você. Afinal, é isso que eu faço a vida toda: compreender as pessoas, e principalmente, você que é tão especial para mim.

Lamento o tempo que vai demorar para que leias esta carta. Pois, sem mais nem menos, você inventou de cancelar sua página de E-mail. Estar de mal com o computador, não quer mais saber de modernidade, pensando que a vida que ainda lhe resta não vale mais à pena.

Sei que preciso lhe encontrar com uma certa urgência para desfazer essas idéias bobas de sua cabeça, amigo. Mas enquanto me organizo para ir te ver, resolvi escrever. Logo mais vou sair à procura de alguém que possa levar até você, minha mensagem.
Amigo, faz tempo que a gente não se encontra. Você não imagina o quanto sua presença, sua voz, seu sorriso, nossas confidências e brincadeiras me fazem falta. Sei também que sentes o mesmo que eu.

Às vezes, me surpreendo imaginado determinadas situações que estais vivendo. Sabes que dificilmente me engano nesses momentos. Entendo sua decepção frente aos últimos acontecimentos em sua vida, querido.
Como sua melhor amiga, não posso, jamais ser indiferente ao que se passa contigo. Por isso, penso que tenho o dever de tentar te ajudar.

Sei o quanto és bonito, inteligente, educado, companheiro, mas por outro lado, te encontras isolado, deprimido e sem forças para "sair dessa". Penso que as idéias que tenho, irão te ajudar. Lembras, querido, que não sou nenhuma adolescente tola, mas uma mulher para quem a maturidade não é mais algo distante. Uma mulher que já sobreviveu às tempestades e às nuvens carregadas de escuridão, mas venceu.

Peço-lhe que aceite com carinho as minhas sugestões, que não tem outra intenção a não ser procurar ajudar. Não quero continuar sabendo que você ainda não tirou da cabeça essa idéia de vítima dos últimos acontecimentos. Não sinta-se vítima de nada. Você é competente o suficiente para saber que na vida  não se pode ter tudo. Imprevistos sempre acontecem. E se dessa vez não deu certo, foi porque não estavas, suficientemente, preparado para esse empreendimento ou ainda não era o teu momento.

Portanto meu caro, saia dessa clausura. Mergulhe de cabeça na busca de um "viver de novo". Novas e saudáveis aventuras vão te fazer bem. Uma nova postura interior depende só de você. A vida estar aí pronta para ser vivida, te chamando para deixar o casulo e se permitir iluminar e aquecer pelos novos e brilhantes raios de sol que surgem, gratuitos, todas as manhãs.

Procure a companhia de pessoas agradáveis para sair e conhecer novos lugares. Vá às livrarias e compre os títulos de sua preferência. Faça um novo E-mail. Explore o que há de modernidade na tecnologia. Faça novas amizades, ainda que virtuais. Vá ao shopping e compre roupas e sapatos novos, e aquele perfume que você tanto gosta. Assista bons filmes. Comece a planejar uma bela viagem, aquela que você falava em realizar nas "próximas" férias e nunca aconteceu.

Amigo, trate de eleger prioridades em sua vida. O tempo passa rápido e a felicidade que te aguarda e que tens direito não pode mais continuar sendo adiada. Não continue se anulando e se aniquilando por dentro. Busque viver intensamente e recupere o tempo perdido.

Mas se por acaso você desejar continuar vivendo desse jeito, pelo menos não fique aborrecido comigo, que não quis, senão tentar ajudá-lo. Quem sabe, não encontrei outra forma de fazer você enxergar a vida com as cores que ela possui e que estar ao alcance de todos.

Um beijo de sua sempre amiga.
Isis Dumont
Aparecida Ramos(Ísis Dumont)
Enviado por Aparecida Ramos(Ísis Dumont) em 18/03/2012
Copyright © 2012. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras