Aparecida Ramos -  Prosa e Verso

Apenas palavras que a alma e o coração não calam.

Textos


        
     Abrindo clareiras
 
A julgar pelo título, ligeiramente, talvez remete à floresta ou combate a incêndio, mas não. Hoje escrevo para falar um pouco mais de mim, por uma razão bem especial: meu aniversário natalício ocorrido nesse domingo (18/08).
20190811_165304.jpg

Escolhi falar em prosa, fazendo uma pequena pausa na poesia que você, quem sabe está habituado a ler em minha escrivaninha.
Vivo mais uma fase bela de minha vida: o amadurecimento. Nunca pensei que a vida pudesse ser tão generosa comigo me permitindo chegar a esse momento com tamanha disposição, satisfação, felicidade e alegria. Jamais pensei antes que ao chegar à maturidade eu me sentisse tão bem convivendo com essas duas tão diferentes: eu, que igual a todas as pessoas, conta os dias, olhando  no calendário,  mede o tempo através do relógio, inclusive por questão de trabalho, e a outra que não ver o tempo passar. Sim, é verdade, a outra que vive em mim não leva idade física a sério, se importando muito mais com a idade que sente, do que com mero detalhe marcado no calendário inventado pelo homem. rs
20190820_201210.jpg
Vivo a idade que me permite ser eu mesma, quando já não faz diferença "determinadas "opiniões alheias; quando as lágrimas derramadas e as conquistas alcançadas valem muito mais do que qualquer ruga ou marca definida nos cantinhos da boca rs.
Sou, a partir de agora uma mulher assumidíssima, que aos 62 anos se orgulha de quase tudo que fez e de ser e viver como é.  Por outro lado confesso que a idade que sinto que tenho é bem menor rs. Afinal, que diferença fazem os números quando a mente ainda dá passos em busca de espaços para pular corda, brincar "de anel", brincar de roda,  cantar canções de infância que ainda ecoam nos ouvidos; embora junto a isso esteja a contabilizar ganhos, acumulando experiências e vivências adquiridas no trajeto já percorrido? Nos intervalos, me ponho a refletir, a repensar, e  assim busco corrgir (à medida do possível) meus erros; e me encanto cada dia mais pela vida, pelas pessoas, e com o amor!
Vale lembrar que não tenho questões "tramitando" em meu passado. Tenho sim, a paz que conquistei com esse presente que a vida me proporcionou, chamado: maturidade! 
Desapegada, desprendida de coisas materiais, sem preconceitos, sem frescuras e sem neuras, procuro fazer o melhor do tempo que me resta. E não importa ou pouco importa se já vivi a maior parte. Vale mais o que fiz, o quanto sonhei e realizei. Vale muito mais a família que constituí, as amizades verdadeiras que conquistei e o bem que fiz e faço, indistintamente, enquanto me for concedido oportunidade...

Aprendi que devo querer apenas o necessário para viver com dignidade; que o excedente fica comigo somente enquanto alguém que conheço não esteja necessitando. Aprendi que nessa fase o amor pode ser arrebatador, tão forte e avassalador como um vulcão, mas outras vezes ele chega plácido, tranquilo, suave feito um remanso de paz, daqueles que a gente desfruta no entardecer à beira Mar.
20190721_123820.jpg
Aprendi que devo cuidar de meu interior, que não é apenas o cuidado com o exterior o mais importante. Aprendi que devo aceitar minhas dores, rir de mim mesma e, acima de tudo amar sem 'reservas", e incondicionalmente!
"Aprenda: bisturi algum vai dar conta do buraco de uma alma negligenciada anos a fio.”
20190814_011501.jpg
Há uma semana, durante um show de Geraldo Azevedo, em outra Cidade da região.
Lembro-me que desde menina sempre fui observadora. Via e sentia os acontecimentos, as situações inclusive do mundo dos adultos mais que as outras crianças com a mesma idade. Conseguia visualizar detalhes “embutidos” em determinadas falas ou fatos, os quais, mesmo sem compreender os significados ou as reais intenções, já conseguia imaginar que não eram tão benéficos quanto  pareciam.  
Assim, com o passar dos anos, descobri que tenho asas, e que essas podem me fazer não apenas voar rente ao chão, mas alçar voos bem mais altos e me levar ao infinito. Depois que descobri que podia voar, também aprendi que, em condições adversas, posso abrir clareiras e erguer abrigos.
Por Adelia Prado (me representa rs)
Querendo ou não, iremos todos envelhecer. As pernas irão pesar, a coluna doer, o colesterol aumentar. A imagem no espelho irá se alterar gradativamente e perderemos estatura, lábios e cabelos.

A boa notícia é que a alma pode permanecer com o humor dos dez, o viço dos vinte e o erotismo dos trinta anos. O segredo não é reformar por fora. É, acima de tudo, renovar a mobília interior: tirar o pó, dar brilho, trocar o estofado, abrir as janelas, arejar o ambiente. Porque o tempo, invariavelmente, irá corroer o exterior. E, quando ocorrer, o alicerce precisa estar forte para suportar.

Erótica é a alma que se diverte, que se perdoa, que ri de si mesma e faz as pazes com sua história. Que usa a espontaneidade pra ser sensual, que se despe de preconceitos, intolerâncias, desafetos.

Erótica é a alma que aceita a passagem do tempo com leveza e conserva o bom humor apesar dos vincos em torno dos olhos e o código de barras acima dos lábios.

Erótica é a alma que não esconde seus defeitos, que não se culpa pela passagem do tempo. Erótica é a alma que aceita suas dores, atravessa seu deserto e ama sem pudores.
Obrigada!!

Aparecida Ramos
www.isisdumont.prosaeverso.net
 
P.S.: Este texto deveria ter sido uma autobiografia, porém, com pouca disponibilidade de tempo, tendo em vista meu trabalho (fora de casa) não foi possível ainda fazê-lo dessa vez.
Gratidão a você pela atenção dispensada.
Deus nos abençoe sempre mais!
 
Ísis Dumont
Enviado por Ísis Dumont em 20/08/2019
Alterado em 07/09/2019
Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras